terça-feira, 23 de março de 2021

NEGACIONISMO

O nosso País merece respeito! 

Tom Simões, tomsimoes@hotmail.com, Brasil, março 2021 

 

 

“A MAIOR das descobertas científicas foi a descoberta da ignorância. Uma vez que os humanos se deram conta de quão pouco sabiam sobre o mundo, eles tiveram um motivo muito bom para ir em busca de conhecimento, o que abriu o caminho científico para o progresso”, escreve Yuval Noah Harari, escritor israelense, em ‘Homo Deus’ - Uma breve história do amanhã.

sexta-feira, 19 de março de 2021

Covid-19

E Viva a CIÊNCIA! Cada vez mais resolvida. E com soluções cada vez mais velozes para as urgências da Humanidade!

* Tom Simões, hoje


sábado, 6 de fevereiro de 2021

A ESSÊNCIA DA FELICIDADE: SÍNTESE DE IDEIAS FUNDAMENTADAS


Muito se fala e discute sobre o tema, há até quem admita não existir felicidade permanente   

 

Tom Simões, jornalista, 6 de fevereiro de 2021      


Existe sim felicidade genuína. Os sábios a experimentam. Nesta síntese, há citações de grandes pensadores explorando o cerne do tema. O sinônimo de essência é substância, aquilo que fundamenta algo, a estrutura...

Eu escrevo para um universo reduzido de pessoas interessadas pelo que é essencial à existência. Tenho como lema o pensamento do filósofo Sócrates, do período clássico da Grécia Antiga, que se resume em: “Só é útil o conhecimento que nos torna melhores”. Há algo que diz: “A chave da virada está no conteúdo que as pessoas mandam para a cabeça”...

A cada sofrimento, cada um pode dar a ele o peso que quiser. Como mostra o psicanalista Francisco Daudt, “O autoconhecimento propõe um caminho melhor para todos nós; ele é a favor da construção e autonomia do indivíduo, pois sabe que é sobre esses fundamentos que a saúde mental prospera”. Cabe-nos então despertar para o desperdício e o perigo de uma vida não examinada.

quarta-feira, 4 de novembro de 2020

DIA DE FINADOS

Saudade é uma dor que fere nos dois mundos

  Tom Simões, tomsimoes@hotmail.com, 2 de novembro de 2020 

 

https://www.youtube.com/watch?v=1t8tuzRmjNk

(Clique no link para assistir)

André Trigueiro, 1966 (54 anos), jornalista brasileiro especializado em jornalismo ambiental, 2 de novembro de 2020 

 

QUE entendimento podemos ter nesse sentido? Qual seria a melhor forma de reverenciar os nossos entes queridos?

Este é um conhecimento que considero obrigatório para todas as pessoas. Eu compartilho igualmente a ideia de André Trigueiro sobre a morte. É preciso refletir sobre o que ele tem a nos dizer. Ao final, todos irão concordar certamente com a possível lógica dos seus argumentos.

sábado, 24 de outubro de 2020

A FOME É NOSSA VIZINHA, MAS DESCONHECEMOS

 Tom Simões, tomsimoes@hotmail.com, 20 de outubro de 2020



Eu tenho o hábito de oferecer, vez ou outra, um lanche a funcionários do prédio onde resido.

Hoje levei um almoço. Disse ao porteiro que dava para ele dividir com outro(a) funcionário(a), por conter ali quantidade suficiente para duas pessoas. “Obrigado, senhor Tom, eu vou dividir com Fulano, porque hoje ele só trouxe pão”, revelou-me.

Esse mesmo porteiro, num domingo, perguntando-lhe se tinha algo a comer, ele respondeu-me: “Tenho sim, senhor Tom, tá cheio de banana aqui”...

quinta-feira, 8 de outubro de 2020

"Velho não quer trepar!"


Mulheres e homens mais velhos têm liberdade para escolher novos prazeres e projetos de vida  

         

                  ·         Mirian Goldenberg, antropóloga e professora da Universidade Federal do Rio, é autora de "A Bela Velhice". Folha de S.Paulo, 1º de outubro de 2020

 

Apenas excepcionalmente eu insiro artigo de outros autores. Só quando me identifico bastante com o texto e julgo importante compartilhá-lo com o leitor que me acompanha. Tom Simões


 

COM o título “Velho não quer trepar e usar drogas, quer ser dono de casa”, matéria do Uol - repercutindo uma declaração dada no programa "Saia Justa", do canal GNT - mostrou que Rita Lee descobriu novos prazeres na velhice.

Aos 72 anos, ela disse que “trepou a vida inteira” e que agora tem vontade de ler mais, aprender coisas novas, pintar. Passou a gostar de lavar louça, arrumar a cama e outras tarefas “fantásticas”. “E hoje estou aqui, velha e dona de casa”, já que “fazer sexo e usar drogas” não lhe interessam mais.

terça-feira, 29 de setembro de 2020

CONVERSAS ENFADONHAS...

Toda espécie de conversa há de ser objetiva e produtiva

 

Imagem: https://www.youtube.com/watch?v=iwML-twN7LU, Como não ser chato


 Tom Simões, jornalista, Santos (SP), 29 de setembro de 2020

 

SABE aquela pessoa que fala com você desmedidamente, consumindo o seu tempo sem nada acrescentar um ao outro? Li algo assim: “Quando muitas pessoas cansativas aparecem e seguem aparecendo, você tem que ser cruel com elas, pois elas estão sendo cruéis com você”. Risos... Como escreve o filósofo alemão Friedrich Nietzsche, “Não me roube a solidão sem antes me oferecer verdadeira companhia”.

Pessoas enfadonhas adoram falar sem parar, focadas em seus interesses particulares. O problema não é só falar demais, mas não deixar o outro também se manifestar. Todos querem falar um pouco, daí também ouvir ser essencial numa conversa a dois.

terça-feira, 22 de setembro de 2020

Um jeito zen de ser! André Trigueiro e Monja Coen


 

Tom Simões, jornalista, Santos (São Paulo) Brasil, 22 de setembro de 2020

 

ACABO de assistir ao vídeo e gostaria de manifestar minha profunda emoção com essa produtiva aula de vida. A vida é um processo contínuo de aperfeiçoamento, que não acaba nunca.

Não há como não compartilhar com vocês, meus gentis seguidores. Trata-se de uma das apresentações mais proveitosas que eu assisti nos últimos tempos. Uma conversa auspiciosa entre o jornalista André Trigueiro, especializado em jornalismo ambiental, e a monja zen budista Coen, realizada no dia 26 de agosto de 2020. Ela fala sabiamente de vida, morte, depressão, suicídio, alegria, humor... Muito conteúdo importante abordado de forma leve e divertida por quem encontrou um caminho de luz. Observem o semblante de André Trigueiro durante todo o tempo da entrevista, ele sorrindo com a sabedoria da monja.

terça-feira, 8 de setembro de 2020

EMOJIS, GIFs E OUTRAS FIGURAS E MENSAGENS INÚTEIS

Ao levantar pela manhã, o primeiro ato de muitas pessoas é ligar o celular e ir ao WhatsApp, gastando bom tempo do dia distraídas com futilidades. É preciso despertar para o desperdício e o perigo de uma vida não examinada. E manter uma sensação de propósito e progressão na vida. 

  

Tom Simões, jornalista, Santos (São Paulo) Brasil, 8 de setembro de 2020

“OS PROFESSORES ideais são os que se fazem de pontes, que convidam os alunos a atravessarem e, depois, tendo facilitado a travessia, desmoronam-se com prazer, encorajando-os a criarem suas próprias pontes”, crê sabiamente Nikos Kazantzakis, escritor grego.  

 

Vai aqui uma confissão que certamente poderá magoar um ou outro leitor. Mas há tempo ensaio para abordar educativamente esta questão. Receber diariamente inúmeras notificações impessoais automáticas chega a ser irritante, criando um desconforto para muitas pessoas. Esses recursos podem ser utilizados, sim, mas é preciso empregá-los de forma sensata; por exemplo, como resposta a um amigo ou a uma postagem que nos agrade. Não me levem a mal. Mas sei que muita gente se sente incomodada com o exagero diário dessas trivialidades, principalmente no Facebook Messenger e WhatsApp. É um exagero de inutilidades. Eu prefiro, de tempo em tempo: "Olá, fulano (a), lembrei de você. Um abraço!" Ou algo do gênero, de cunho pessoal.