quarta-feira, 23 de maio de 2018

Ernest Hemingway, 1899-1961


Escritor norte-americano. Trabalhou como correspondente de guerra em Madrid durante a Guerra Civil Espanhola. Essa experiência inspirou uma de suas maiores obras, ‘Por Quem os Sinos Dobram’. A  comovente história narra três dias na vida de um americano que se ligara à causa da legalidade na Espanha. O autor conseguiu que seus leitores sentissem que o ocorrido no país ibérico, em 1937, era apenas um aspecto da crise do mundo moderno.

   Imagem: https://www.voal.ch/kjo-nuk-ka-rrezik-te-ndodhe-me-ty-tregim-nga-ernest-hemingway-perktheu-nasi-lera/

  
Cita https://revistagalileu.globo.com/Cultura/noticia/2016/07/9-fatos-inacreditaveis-sobre-vida-de-ernest-hemingway.html, que Ernest Hemingway é uma lenda. O escritor participou das duas guerras mundiais, sobreviveu a dois acidentes de avião, teve seus livros queimados pelos nazistas, deu nome a um corpo celeste que orbita o sol e, como se isso não fosse o suficiente, ganhou o ‘Prêmio Nobel de Literatura’.

Fabrício Carpinejar, 1972 (nascimento)


Escritor, jornalista e professor universitário, pai de dois filhos... "Um ouvinte declarado da chuva, um leitor apaixonado do sol. Quando conseguir se definir, deixará de ser poeta", assim ele se define, http://carpinejar.blogspot.com.br/2016/09/selfie-da-voz.html








Segredo entre Deus e o Homem

“RARAMENTE você atravessará a encarnação sem experimentar amor, a amizade, a esperança e o ódio. Mas pode morrer sem nunca conhecer a misericórdia.
A misericórdia não é racional, extrapola a lógica e a balança dos pensamentos coloquiais entre o certo e o errado.
A misericórdia é oferecer chance para quem não merece, é alcançar o perdão para quem recusou a penitência, é emprestar coragem a um covarde, é carregar alguém nas costas do inferno ao paraíso.
Não ser capaz da misericórdia é humano. Não tem nada de errado. Pois Deus criou algo realmente incompreensível, inaceitável e perigoso dentro do coração.
Não confunda misericórdia com complacência. Não significa ceder, porém apoiar na mais completa adversidade.
Assim como é fácil a remissão após longo tempo ou no momento em que os acontecimentos esfriam. Misericórdia mesmo unicamente tem sentido quando o sangue está quente e a raiva recente de seus ressentimentos.
Misericórdia é um suspiro no interior de um soluço, é uma lágrima que molha as palavras da boca. Não tem como entender. Às vezes não há como aceitar. Estraga a sociedade e a convivência, desfaz a hierarquia dos pecados e o entendimento da redenção pelo esforço.
Misericórdia abole o julgamento, cria exceções insuportáveis, mima a maldade. É um apoio sumário, sem aguardar contrapartida e recompensas.
Só será feita por quem tem estômago forte, caráter transcendente e pulso firme. Os fracos não aguentam os revezes da culpa.
Misericórdia é quando um sobrevivente do holocausto desculpa um nazista, é quando uma mãe não se vinga do assassino de seu filho, é quando a vítima da violência se solidariza com as condições do agressor.
Misericórdia é quando você tem todos os motivos para perder a fé e, estranhamente, reforça os votos de crença na vida.”

terça-feira, 22 de maio de 2018

Fernando Pessoa (1888-1935)


Poeta, escritor, astrólogo, crítico literário, inventor, empresário, tradutor, filósofo e comentarista, nascido em Lisboa.
É considerado um dos mais importantes poetas da língua portuguesa e figura central do modernismo português. Poeta lírico e nacionalista,  cultivou uma poesia voltada aos temas tradicionais de Portugal e ao seu lirismo saudosista, que expressa reflexões sobre seu ‘eu profundo’, suas inquietações, sua solidão e seu tédio.



Ferreira Gullar, 1930-2016

Poeta, produziu também obras em áreas como ensaio, tradução, biografias e crítica de arte. É um dos fundadores do neoconcretismo.
Como citado em http://escolaeducacao.com.br/melhores-poemas-de-ferreira-gullar/, a poesia de Ferreira Gullar sempre destacou-se pelo engajamento político. Por meio da palavra, Gullar fez da poesia um importante instrumento de denúncia social.

  
Como o poeta se sente num tempo em que a poesia perdeu sua importância cultural?
(em entrevista a Pedro Maciel, ‘A morte é o nada’, Folha de S.Paulo, 11/12/2016)

NÃO sei se a poesia perdeu sua importância cultural. Acho que não perdeu. Uma coisa é a cultura de massa, a badalação em torno de bobagens que preponderam na nossa sociedade. Outra coisa é a verdade, a verdadeira arte, a verdadeira poesia, os verdadeiros valores.
A poesia, mais do que nunca, é fundamental para as pessoas exatamente porque elas vivem uma vida alucinada em que todo valor é banalizado. Então, as pessoas recorrem à poesia. É claro que não é a maioria, mas nunca foi a maioria. Em época alguma do mundo a maioria procurou a poesia.”

sexta-feira, 18 de maio de 2018

Francis Bacon, 1561-1626


Filósofo, ensaísta e político inglês. Sua educação orientou-se para a vida política, na qual alcançou posições elevadas. Foi importante na formulação de teorias que fundamentaram a ciência moderna.
De acordo com https://www.ebiografia.com/francis_bacon/, Bacon influenciou a psicologia ao argumentar que todas as ideias são   produto da sensação e da reflexão. Contestou a afirmação medieval de que a verdade poderia ser elucidada através de pouca observação e muito raciocínio.


quinta-feira, 17 de maio de 2018

Franz Kafka: 1883-1924


Um dos principais escritores ficcionais de língua alemã, Franz Kafka nasceu na cidade de Praga, nessa época integrante do império austro-húngaro, atualmente conhecido como República Tcheca, no seio de uma família de classe média judia. Considerado um dos principais escritores de literatura moderna e um dos mais influentes do século XX, sua obra retrata as ansiedades e a alienação do homem.


Frederico Elboni, 1991


Publicitário, escritor, blogueiro e roteirista brasileiro.
Ele é focado no comportamento humano e suas facetas. Em 2011 e 2012, foi autor-roteirista do programa ‘Amor & Sexo’ da Rede Globo e hoje é editor do blog ‘Entenda os homens’. Apaixonado pelos conhecimentos empíricos da vida, sushi e nhá benta, sempre gostou de mostrar às pessoas como tudo pode ser simples. Acredita fielmente na teoria de que o sorriso pode curar qualquer coisa.
Eu admiro a maturidade antecipada do escritor, por tudo o que ele escreve sobre o relacionamento a dois, sobretudo pelo que tem a dizer produtivamente ao público jovem. Li em 2017 sua obra ‘Só a gente sabe o que sente’.
Elboni escreve muito. Aqui, apenas uma ideia do jovem talento:



quarta-feira, 16 de maio de 2018

John Lennon, 1940-1980


Cantor, guitarrista e compositor. Frequentemente é citado como a cabeça pensante dos ‘The Beatles’ e o mais conscientizado com as questões sociais de seu tempo.



terça-feira, 15 de maio de 2018

Jorge Luis Borges, 1899 -1986


Escritor, poeta, tradutor, crítico literário e ensaísta argentino. Em 1914, sua família mudou-se para a Suíça.
Entrelaçando ficção e fatos reais, Borges concentrou-se em temas universais, o que lhe garantiu reconhecimento mundial. É considerado o maior escritor argentino de todos os tempos e um dos mais importantes nomes da história da literatura.
“Acometido por problemas nos olhos, foi aos poucos perdendo a visão. Quando estava totalmente cego contou com a ajuda de sua mãe para escrever seus livros. A doença fez com que vivesse em reclusão durante boa parte do fim de sua vida”, cita https://www.ebiografia.com/jorge_luis_borges/

José Saramago, 1922 – 2010


Escritor português. Foi galardoado com o ‘Prêmio Nobel de Literatura’ de 1998. Também ganhou, em 1995, o ‘Prêmio Camões’, o mais importante prêmio literário da língua portuguesa.
Saramago foi criador de um dos universos literários mais sólidos do século XX; uniu a atividade de escritor com a de homem crítico da sociedade, denunciando injustiças e se pronunciando sobre conflitos políticos de sua época, tendo sido membro do Partido Socialista Português.
Como citado em https://www.infoescola.com/escritores/jose-saramago/, sua felicidade era notória e talvez resultasse de saber-se finito, referindo-se com frequência à ideia da morte, inclusive tendo dito à beira de um penhasco: “se caio e aqui me mato acabou-se, não farei mais livros”. Assim insistia Saramago na necessidade de ter tempo e vida! Ter prêmio, novela, filme, glória, fama não lhe trazia a plena realização. Despido de vaidades, dizia que até mesmo ser vencedor do Prêmio Nobel era pouco e insignificante em relação ao Universo.


segunda-feira, 14 de maio de 2018

Carl Gustav Jung, 1875-1961


Psiquiatra e psicoterapeuta suíço que fundou a psicologia analítica. Jung propôs e desenvolveu os conceitos da personalidade extrovertida e introvertida, arquétipo e o inconsciente coletivo.
O conceito de ‘arquétipo’ do jeito que conhecemos hoje, surgiu em 1919 com Jung, discípulo de Freud. Segundo ele, os arquétipos são conjuntos de ‘imagens primordiais’ originadas de uma repetição progressiva de uma mesma experiência durante muitas gerações, armazenadas no inconsciente coletivo.
O modelo que se utiliza como exemplo é a Madre Teresa de Calcutá, arquétipo da bondade. Outro exemplo: qual o sentido que empregamos ao ato de beber uma cerveja? Muito se fala que esse produto serve para ‘matar a sede’. Mas beber uma cerveja significa também satisfazer a necessidade de estar num determinado grupo, uma vez que, ao consumir a bebida alcoólica, normalmente, o indivíduo fica rodeado por um grupo, seja ele de amigos, colegas ou familiares. Ele se insere no contexto.
Jung definiu doze tipos principais que simbolizam as motivações humanas básicas, cada tipo com seu próprio conjunto de valores, significados e traços de personalidade: o inocente, o cara comum, o herói, o cuidador, o explorador, o rebelde, o amante, o criador, o tolo, o sábio, o mágico e o governante.



domingo, 13 de maio de 2018

Huberto Rohden, 1893-1981


Filósofo, educador e teólogo catarinense, radicado em São Paulo.
“Por ocasião de sua ordenação sacerdotal, em 1920, publicou ‘Mistério de Amor’nacionalmente apreciado mesmo após ter abandonado a Igreja. Profundas mágoas marcaram para sempre essa decisão. Da parte da Igreja, faltou também a compreensão frente ao sofrimento desse zeloso padre e, por que não, faltou valorizá-lo. O apostolado católico ficou mais pobre. Suas obras, continuamente reeditadas, provam o quanto de bom a Igreja deixou escapar, motivada por um dogmatismo não bem fundamentado e, particularmente, pela inveja clerical. Da parte do Cardeal Dom Jaime Câmara, seu conterrâneo catarinense e colega de estudos e ordenação, não houve um olhar que não fosse o dogmático, frio, sem uma análise mais profunda de suas obras. Nelas, Rohden idealiza um Cristo Cósmico muito semelhante ao do ‘Movimento Nova Era’. Além disso e, estranhamente, sua obra é divulgada por vários institutos espíritas e de teosofia.

Galileu Galilei, 1564-1642

Matemático, físico, astrônomo e filósofo italiano. Foi personalidade fundamental na revolução científica. Sei pai queria que ele fosse médico e o mandou estudar em Pisa. Mas o jovem estava mais interessado em física e matemática.


Estudioso, fez observações pioneiras que foram base para a Física e a Astronomia modernas. Ele também construiu um telescópio e apoiou a teoria de Copérnico, que fala de um sistema solar com o Sol como centro. 


sexta-feira, 11 de maio de 2018

George Eliot, pseudônimo de Mary Ann Evans, 1819-1880


Romancista autodidata britânica. Usava um nome masculino para que seus trabalhos fossem levados a sério.
“À época, outras autoras publicavam trabalhos sob seus verdadeiros nomes, mas Eliot queria escapar de estereótipos que ditavam que mulheres só escreviam romances leves. Outro fator que pode ter levado Eliot a usar um pseudônimo masculino era o desejo de preservar sua vida íntima, sobretudo seu relacionamento com George Henry Lewes, um homem casado, com quem viveu por mais de vinte anos”, cita https://pt.wikipedia.org/wiki/George_Eliot


George Bernard Shaw, 1856-1950


Dramaturgo e romancista irlandês. Segundo http://www.lpm.com.br/site/default.asp?TroncoID=805134&SecaoID=948848&SubsecaoID=0&Template=../livros/layout_autor.asp&AutorID=115, embora fosse essencialmente tímido, acabou crian­do o mito-personagem George Bernard Shaw, conhecido como showman, satirista espirituoso, pole­mista, crítico, bufão intelectual e dramaturgo. A partir dele, comentadores da sua obra cunharam um novo adjetivo para a língua inglesa: ‘shavian’, termo usado para abarcar todas as versáteis e brilhantes qualidades do autor. 



Georges Bernanos, 1888-1948


Escritor e jornalista francês. Participou intensamente da vida política francesa. Era um católico romano com inclinações monarquistas, um grande crítico da ‘burguesia’ de sua época.
De acordo com http://www.erealizacoes.com.br/autor/georges-bernanos, Bernanos externava em seus livros uma visão trágica, melancólica, porém repleta de esperança cristã, sedenta por milagres e santidade. Serviu como soldado de trincheira na Primeira Guerra Mundial. Crítico cultural implacável, atacou o regime franquista na Espanha e o armistício acordado pela França com a Alemanha nazista. Autoexilou-se no Brasil entre 1938 e 1945. Na casa que o abrigou em Barbacena (MG), funciona hoje o Museu Georges Bernanos.




quinta-feira, 10 de maio de 2018

Gibran Khalil Gibran, 1883-1931


Filósofo, escritor, poeta e ensaísta de origem libanesa. Sua obra reflete a espiritualidade e os princípios que levam aos patamares mais altos da alma humana. Seu livro mais conhecido é ‘O Profeta’. Dedicou-se à pintura e ao desenho, numa arte mística que lhe é própria.




Johann Wolfgang von Goethe, 1749-1832


É considerado como a maior personalidade da literatura alemã, seu maior poeta, famoso também como dramaturgo, romancista e ensaísta, sendo notáveis suas obras autobiográficas, seus estudos de ciências naturais e suas conversações, fielmente notadas, com amigos. Sobre suas poesias, ele próprio dizia serem ‘ocasionais’, isto é, ligadas aos acontecimentos de sua vida e a experiências pessoais, de modo que não é possível separar as obras e a vida.



quarta-feira, 9 de maio de 2018

Guimarães Rosa, 1908-1967


Escritor, diplomata, novelista, contista e médico brasileiro, considerado um dos maiores escritores brasileiros de todos os tempos.

Com base em  https://www.passeiweb.com/estudos/sala_de_aula/portugues/guimaraes_rosa, o  regionalismo de Guimarães Rosa deixa de dar ênfase à paisagem para focalizar o ser humano em conflito com o ambiente e consigo próprio. Dessa maneira, as personagens revelam tanto suas particularidades regionais como sua dimensão universal, ou seja, o que elas têm em comum com o restante da humanidade.
A valorização da cultura sertaneja num momento histórico em que predominava um discurso desenvolvimentista coloca o escritor na contramão da literatura brasileira que, praticamente desde seu início, defendeu a modernização do país. Por trás da atitude de Guimarães Rosa está a percepção de que o progresso condenaria ao silêncio o mundo dos contadores de histórias.



Hannah Arendt, 1906-1975


Filósofa política alemã de origem judaica, uma das mais influentes do século XX.
Com base em http://www.repositorio.jesuita.org.br/handle/UNISINOS/5378, o pensamento de Arendt se constrói amparado no método da compreensão, fundamenta-se na crítica ao modelo político negador da pluralidade humana e põe em relevo a necessidade de garantia do espaço público e do amor ao mundo, em vista da recuperação do sentido de realização da política e do ser humano.