quarta-feira, 19 de junho de 2013

“EU SOU EU E A MINHA CIRCUNSTÂNCIA”: Ortega y Gasset

“Só chegamos a ser uma parte mínima do que poderíamos ser”

http://vicariosaboyano.wordpress.com/

EMPREGA-SE normalmente o termo “circunstância” como uma situação que acompanha determinado acontecimento, por exemplo. “Ele age assim por conta de suas próprias circunstâncias; daí ser preciso entender o seu comportamento, resultado do ambiente em que vive.” Porém, a palavra “circunstância” tem um sentido mais amplo, colocando o homem como um ser totalmente dependente da realidade que o cerca. Com base nessa ideia, não há indivíduos que se bastam, que não precisam dos outros... Ainda que solitário o homem, a sua circunstância é algo vital para a sua sobrevivência. 

John Cacioppo, premiado psicólogo da Universidade de Chicago (citado por Jane E. Brody em “Solidão é fator de risco comparável à hipertensão”, Folha de S.Paulo, 3/6/2013), revela que as pessoas são fundamentalmente seres solitários que precisam de conexões significativas com os outros para maximizar sua saúde e bem-estar. Ele sugere abordagens como “atos aleatórios de gentileza”: fazer algo que lhes faça bem física ou emocionalmente, talvez uma coisa simples como elogiar a roupa de um estranho ou ajudar um idoso a atravessar a rua. O que é preciso, segundo Cacioppo, é dar um passo para fora da dor da nossa própria situação durante um tempo suficiente para ‘alimentar’ os outros. A mudança real começa com o fazer.


Em seu artigo “Ortega e as circunstâncias”, 22/7/2008, www.nivaldocordeiro.net/ortegaeascircunstancias, Nivaldo Cordeiro revela que a frase mais famosa de José Ortega y Gasset, 1883-1955, filósofo espanhol, é “Eu sou eu e a minha circunstância e se não a salvo, não salvo a mim mesmo”. Segundo Cordeiro, depois da expressão “Penso, logo existo”, de Descartes, a frase de Gasset é a mais sensacional síntese filosófica que um pensador tenha conseguido.

Em “O homem e sua circunstância: introdução à filosofia de Ortega y Gasset”, Vilson Ribeiro Santos, www.funrei.br/revistas/filosofia, relata: “Há em Ortega uma rigorosa conceituação filosófica acerca da relação entre o Eu e sua circunstância. Nessa fórmula, temos um
”Eu” que está nativamente aberto à sua circunstância, isto é , à realidade que o circunda. Esta realidade é, sem dúvida, distinta do Eu; mas, ao mesmo tempo, é inseparável dele; de modo que, para Ortega, não há como tornar o Eu sem sua circunstância”.

Deste modo, prossegue Vilson Ribeiro, em todo o livro “Meditações do Quixote” (1914), primeira obra de Ortega, o filósofo mostra-nos que se comunica com o mundo a partir de sua circunstância. “Ela é, por assim dizer, seu cordão umbilical que o liga com o Universo todo.”

Mas o que significa salvar a circunstância?, indaga Vilson Ribeiro. “Salvá-la significa compreendê-la. E compreender, para Ortega, é conduzir generosamente as coisas à plenitude do seu significado, é ligar coisa com coisa e tudo conosco, numa viva pertinência recíproca.

Tão logo, recentemente, ao buscar o significado de “circunstância” para um estudo destinado a um curso de psicanálise que ora frequento, deparei-me com Ortega e sua frase revolucionária. E imaginei, por exemplo, o próprio morador de rua fazendo parte da minha circunstância.

Moradores de rua. “Foram vindo. Das injustiças sociais vieram, dos fracassos pessoais, das famílias desestruturadas, das fugas, das frustrações, das secas nordestinas e amorosas vieram, do abandono, das fragilidades e inseguranças, das revoltas sem rumo vieram, do alcoolismo, dos pais ausentes, da escola ausente, das bravatas imaturas, dos reformatórios vieram, dos abusos, dos maus–tratos, dos baratos, das baladas, da má educação, das carências, da falta de lugar, da doença mental vieram, da baixa estima, das prisões, do risco mal calculado, dos refúgios da alma vieram... – e formaram essas multidões que nos assustam”, escreve Ivan Angelo em “Somos todos vítimas”, revista Veja (Veja São Paulo), 13/2/2013. Eu, Tom Simões, diria: “Somos responsáveis também”.

A circunstância, conforme explica Vilson Ribeiro, é o ponto de partida para toda reflexão filosófica e, isso, também ou principalmente, para a investigação sobre o ser do homem.

EU E O MUNDO

Só chegamos a ser uma parte mínima do que poderíamos ser”, observa Nivaldo Cordeiro com base em Ortega. “Toda a vida é achar-se dentro da ‘circunstância’ ou mundo. Porque este é o sentido originário da ideia (mundo). Mundo é o repertório das nossas possibilidades vitais. Não é, pois, algo à parte e alheio à nossa vida, mas que é a sua autêntica periferia. Representa o que podemos ser; portanto, a nossa potencialidade vital. Esta tem de se concretizar para se realizar ou, dito de outra maneira, chegamos a ser só uma parte mínima do que poderíamos ser. Daí que nos parece o mundo uma coisa tão enorme, e nós, dentro dele, uma coisa tão pequena. O mundo ou a nossa vida possível é sempre mais que o nosso destino ou vida efetiva”, comenta o autor.  

Para Ortega, as circunstâncias de um indivíduo são dadas precisamente pelo que ocorre na política. E a política não é alheia à ação individual de cada um. É preciso, portanto, escreve Cordeiro, salvar a política das mãos do homem-massa para que possamos salvar a todos e a cada um. “Mais precisamente, é preciso enquadrar o homem-massa, restabelecer a hierarquia. Salvar aqui, na opinião de Cordeiro, tem o primeiro de seus sentidos dicionarizados: “Tirar ou livrar a si mesmo de perigo, dificuldades, ruína ou morte”.

Outro ponto interessante para Cordeiro é que agir para salvar as nossas circunstâncias é, antes de tudo, tornar-se um líder. “É ter o sentido da civilização, é assumir a responsabilidade. A horda dos decadentes só toma o comando do Estado quando os homens egrégios se apequenam. O momento é de se fazer o movimento inverso, de pôr o homem-massa no seu lugar. A vida convida todos nós à responsabilidade existencial. Salvar-se requer, antes de tudo, ter uma atitude moral consigo mesmo, que fatalmente influenciará o meio. As massas, deixadas por si mesmas, serão enganadas pelos demagogos malignos, no rumo do desastre”, escreve o autor.

COMO FAZER ISSO?

Ora, observa Cordeiro, mudando cada um de nós mesmos e formando o caráter daqueles que nos são próximos. “Sem esse pequeno tijolo inicial não se fará construção alguma. A ordem social depende da ordem na alma individual. Tornar-se alguém maduro, recusar as falsas facilidades do populismo, resgatar os valores da tradição, santificar a vida cotidiana... Parece fácil enumerar, mas se tivéssemos feito isso a tempo não teríamos de chegar, ainda uma vez, ao mesmo estágio em que Ortega y Gasset encontrou a Espanha para cunhar a sua frase imorredoura”, finaliza Cordeiro.

“Ser consciente não é um estado momentâneo em nossa existência. Ser consciente refere-se à nossa maneira de existir no mundo. Está relacionado à forma como conduzimos nossas vidas e, especialmente, às ligações emocionais que estabelecemos com as pessoas e as coisas no nosso dia a dia. Ser dotado de consciência é ser capaz de amar”, revela Osvaldo, médico psiquiatra, professor assistente de Psiquiatria da UERJ, citado pela médica Ana Beatriz Barbosa Silva, em sua obra “Mentes perigosas: o psicopata mora ao lado”.

No entender dessa autora, a consciência é um senso de responsabilidade e generosidade baseado em vínculos emocionais, de extrema nobreza, com outras criaturas (animais, seres humanos) ou até mesmo com a humanidade e o Universo como um todo. “É uma espécie de entidade invisível, que possui vida própria e que independe da nossa razão. É a voz secreta da alma, que habita em nosso interior e que nos orienta para o caminho do bem”.

Ana Beatriz revela também: “A consciência genuína nos impulsiona a ir ao encontro do outro, colocando-nos em seu lugar e entendendo a sua dor. [...] nos pequenos ou nos grandes gestos, a consciência genuína – e somente ela – é capaz de mudar o mundo para melhor”.

Portanto, retomando Nivaldo Cordeiro: “Há um grande perigo em nosso momento, muito semelhante àquele que Ortega viu a seu tempo. O ponto é que não temos escolha que não  agir para salvar a nós mesmos. Ninguém fará isso por nós, que somos os agentes históricos. A omissão não salvará ninguém, muito ao contrário, ela apenas entregará os destinos coletivos nas mãos dos que têm a alma moralmente deformada. Daqueles que não se importarão em causar morte e destruição”.

Quem é capaz de pensar mais profundamente essa ideia de “Eu sou eu e a minha circunstância e se não a salvo, não salvo a mim mesmo”?


______________

Revisão do texto: Márcia Navarro Cipólli, navarro98@gmail.com

2 comentários:

  1. Ortega y Gasset é um dos mais importantes filósofo do mundo contemporâneo, paera estudarmos o comportamento do homem em sociedade.

    ResponderExcluir
  2. Há uma frase similar: O mal progride em funçao da omissao dos bons. O problema é que nos bons nao há malicia para deter os maus.

    ResponderExcluir

Para comentar mais facilmente, ao clicar em “Comentar como – Selecionar Perfil”, selecione NOME/URL. Após fazer a seleção, digite seu NOME e, em URL (preenchimento opcional), coloque o endereço do seu site.