quarta-feira, 21 de dezembro de 2016

CANOAGEM E NATAL... TEMPO OPORTUNO A UMA BOA REFLEXÃO

Obrigado, Clube Internacional de Regatas, pelo importante acolhimento!
Tom Simões, Santos (SP), Brasil, dezembro 2016 






“PARECE que quando você se torna presente, permite que os outros estejam presentes. A presença não torna você dominante no sentido alfa. Na verdade, permite que você ouça as outras pessoas. E que elas se sintam ouvidas e se tornem presentes. Você pode ajudar as pessoas a se sentirem mais poderosas, ainda que não consiga lhes dar poder formal. E quando isso acontece, quando sua presença consegue evocar a presença delas, você eleva tudo. [...] Revelar seu eu verdadeiro libera os outros para revelar os deles”, escreve Amy Cuddy, psicóloga, pesquisadora e professora da Harvard Business School.  

“Há mais de 2000 anos, por decreto e misericórdia divinos, o milagre da vinda do Cristo aconteceu. E o coração dos Homens foi alçado à condição de templo interior. E hoje, mesmo em tempos de contestação e dúvidas, onde se buscam provas da existência de Deus, o coração não se engana e na época do Natal percebe algo diferente no ar. É quando a Terra e a Vida recebem abundância de Amor Crístico. É um chamado à espiritualização, para que cada um acelere a construção de seu paraíso pessoal”, relata o amigo-irmão Roberto da Graça Lopes.  

É claro que não existem grupos ou associações perfeitas, qualquer que seja a sua natureza: social, esportiva, religiosa, filosófica, benemérita... Por melhor que sejam os regulamentos ou conjunto de regras da organização, eles são praticados por ‘pessoas’ e ‘pessoas’ são sempre muito susceptíveis a desconfortos pessoais, exercícios de poder, incompreensões... Daí a importância de a gente refletir um pouco sobre essas maravilhosas ideias que transcendem a conjuntura humana. Em tempos em que as relações humanas permanecem as mesmas, primitivas, em contraposição à era tecnológica, é necessário que repensemos nossas atitudes para garantir a nossa própria qualidade de vida e a qualidade de vida das pessoas com as quais convivemos.

Quando se fala em ‘canoagem’, pensa-se normalmente nas características formais desse esporte, como por exemplo: a canoagem é um esporte náutico praticado com a utilização de embarcações (canoa ou caiaque). Ou então: segundo a Confederação Brasileira de Canoagem, o Brasil é o segundo país com mais medalhas no Campeonato Sul-Americano de Canoagem. E assim vai...



Entretanto, quando se fala em ‘canoagem’ também não é habitual, infelizmente, abordar ‘o espírito da canoagem’. Como ‘espírito da canoagem’, que coisa é essa? Trata-se de algo que está além da simples prática desse esporte, algo que transcende o exercício físico, a competição, a superação, a autoestima, o relacionamento humano... O ‘espírito da canoagem’ tem a ver com as emoções do remador e com a essência dessa prática esportiva: ‘a sincronicidade’. O psicólogo Carl G. Jung foi quem nomeou o termo como ‘sincronicidade’, referindo-se à ‘simultaneidade de dois acontecimentos: interiores e exteriores, de um modo que não é possível explicar, mas que tem certo sentido para a pessoa que observa’.

Segundo https://amenteemaravilhosa.com.br/casualidade-nao-existe-existe-apenas-sincronicidade/, Jung chegou à conclusão de que há uma íntima conexão entre o indivíduo e o ambiente ao seu redor. “A sincronicidade representa para nós, no plano físico, a ideia ou solução que se esconde em nossa mente, maquiada de surpresa e coincidência. [...] Uma experiência sincronística costuma acontecer em nossas vidas quando menos esperamos, mas no momento exato, às vezes mudando a direção de nossas vidas e influindo em nossos pensamentos. Mas para isso, precisamos estar receptivos e atentos ao mundo ao nosso redor, criando a abertura necessária para a possibilidade de acontecer a sincronicidade.

Mas por que estaria eu discorrendo sobre tudo isto? O que a sincronicidade tem a ver com a canoagem? À primeira vista, a ideia da sincronia está diretamente ligada à ‘obrigatória sincronia entre os remadores, com seus remos na água, fato que origina a navegabilidade ideal da canoa’. A ação de qualquer remador que se distraia com o seu remo repercute obrigatoriamente no ritmo da navegação.

Ocorre que a sincronização não se deve apenas ao aspecto técnico da canoagem. A sincronização tem a ver principalmente com o ‘espírito’ das pessoas que se identificam com esse esporte náutico. Os adeptos da canoa havaiana têm propósitos em comum que passam pela contemplação da Natureza e pela harmonia e unidade de pensamento entre pessoas conscientes, e, espera-se, compromissadas com o crescimento pessoal e espiritual, que pensam em dar um sentido mais amplo à sua existência. O Mar, com sua exuberância, beleza e fonte de mistérios, permite-nos despertar nesse sentido.

Fernanda, a fotógrafa que registrou a Canoagem Poseidon neste final de ano, encantada com o espírito da equipe, disse ter ficado com vontade de remar, contagiada. E assim muitas outras pessoas também se contagiam ao presenciar a descida das canoas pela rampa rumo ao mar, na cidade de Santos.

“Quanto mais alertas estivermos em relação ao nosso redor, maior será a probabilidade de que aconteça a ‘sincronicidade’ ou que a percebamos. Ela pode estar presente em pequenas conversas, em músicas que tocam na rádio, em encontros aparentemente fortuitos... Apenas é preciso estar atento. Se deixarmos as circunstâncias fluírem e não pressionarmos, nem forçarmos, ou para que ocorram certos acontecimentos, ou à vontade das pessoas... Enquanto mantivermos uma atitude receptiva e aberta, nos deixando levar pela ‘intuição’ e nossa sabedoria interior, nos abriremos para a magia que nos oferece a experiência da ‘sincronicidade’. Se soubermos escutá-la, poderá se tornar um bom guia para nossas vidas”, cita sabiamente o site ‘A Mente é Maravilhosa’.  

E é nesse sentido que deve atuar a equipe de Canoagem Poseidon, associada ao Clube Internacional de Regatas, da cidade de Santos (SP). Seu lema é “A força dos bons deve ser usada para benefício de todos”, com base na sabedoria hindu. Daí ficar fácil entender a conjunção que se estabelece entre sincronicidade: física e espiritual. Isto é canoagem no seu sentido mais amplo.

FELIZ NATAL a todos os associados da equipe Poseidon e do Clube Internacional de Regatas. Torçamos para que 2017 nos incite a explorar uma nova maneira de olhar para nós mesmos, possuindo a imaginação mais criativa e produtiva que se pode conceber. Por um mundo melhor! Por uma equipe esportiva melhor! Por um clube associativo melhor!


·         Revisão do texto: Márcia Navarro Cipólli


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Para comentar mais facilmente, ao clicar em “Comentar como – Selecionar Perfil”, selecione NOME/URL. Após fazer a seleção, digite seu NOME e, em URL (preenchimento opcional), coloque o endereço do seu site.